Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Ai tão doentinha... :/

 
É claro que as alergias não existem. Eu não estou com um ataque de alergia, eu não estou aos espirros e também não gastei dois maços de lenços de papel. Ah e o comprimido e spray do nariz também foram delírios meus do universo onírico!
Rai's parta a alergia e mais quem as inventou... Ah e o calor súbito também podia ir dar uma voltinha...
Assim o meu nariz ficava BEM mais calminho...
{#emotions_dlg.angry}

{F26] Insólito.

Um dia, ia eu para a praia, deparo-me com este sinal. Fiquei a remoer naquilo. No dia seguinte, pus-me a jeito, de máquina fotográfica na mão e... click! Acho isto insólito, e posso tirar várias ilações a partir daqui. 
o
Reparem no sinal que está atrás: "atenção respeite os peões". Antes é precedido por um aviso de passadeira mas quem vai atravessar não é um peão mas sim um "ladrão". Digo eu que é ladrão mas até pode ser um assassino em série...

Reparem lá, tem cara de lobo mau e traz uma arma na mão...

Insólito, não?
o
Outro insólito já eu tinha descrito neste post.
Este foi de bradar aos céus! :))) 
Espreitem lá...
{#emotions_dlg.angel}

[F24] Fogo.

E a culpada de eu ter interrompidoo desafio, foi esta foto!
Ah pois é. Eu não fumo e não tenho lareira, já estive no meio de um fogo (ia morrendo assada!) mas acho que não tirei fotos. 
Quando fui cozinhar nem me lembrei deste "fogo".
Que me lembrei entretanto? Vou tirar uma foto a um fósforo e pronto!
Afinal é ele que dá origem a uma série de fogos, right?
{#emotions_dlg.sarcastic}

Começo de semana para esquecer...

Comecei a semana feita num oito. Acordei com um cansaço enorme em cima, parecia que tinha sido atropelada por um camião. A custo levantei-me, fiz a minha higiene, bebi um café - que se entornou metade na mesa aquando da sua feitura - pus uns palitos nas pálpebras e comecei a labutar... em "modo caracol".

 

Lá fui arrebitando ao longo da manhã, até porque hoje tinha de fazer o almoço porque a mãe foi com o mano para o médico porque estava com uma crise de asma. Então, tive de fazer o meu almoço e o do meu pai. Apesar do "modo caracol", consegui comer a horas e despachar-me para ir para a escola.

 

Os miúdos andam já fartos da escola e este tempo de ora aquece, ora arrefece, parece que os deixa ainda mais impacientes. E não são só eles mas isto não era para dizer...

 

Numa das minhas turmas, tenho um miúdo ara o qual já esgotei a minha paciência. Os pais não querem saber, a mim começa a ser-me indiferente e a direcção da escola, já sabe como não funciona aquela família e está conivente comigo.

 

Hoje enervei-me. O miúdo não respeita nada nem ninguém. Passo as aulas a ouvir queixas dos colegas que o tal miúdo não os deixa trabalhar e nem concentrar porque está sempre a falar com quem estiver à volta ou a falar sozinho. E eu percebo os outros. Como se pode aprender se há alguém sistematicamente a perturabar a aula? E que eu mando calar, que mudo de lugar, que coloco sozinho numa mesa, que ameaço com castigos, que lhe digo que vai para a direcção até os pais virem e nada faz efeito?

 

Anteriormente, tratei o miúdo de outra forma, tentei apelar-lhe ao coração, fechei um pouco os olhos a certas coisas porque tinha pena dele, pois ninguém gosta dele e porque a professora titular era um carrasco para ele. Não gostava de ver aquilo. Não achava que fosse correcto.

 

Mas o miúdo ao longo do ano foi fazendo tantas, demonstrando que desconheces o que é respeito, regras e ser social que a paciência esgota-se. E ainda mais se esgota quando os pais não querem saber. E eu não sou mal paga para aturar gente mal educada, sou mal paga para ensinar. Se a professora titular não consegue fazer nada dele e está quase todo o dia com ele, não sou eu que em micro aulas consigo fazer milagres. Tenho nome de santa mas não faço milagres. Nem a direcção consegue fazer o que quer que seja do miúdo, nem dando-lhe castigos (retirando-lhe aquilo que ele gosta de fazer). É um caso grave de indisciplina e de pais que não querem saber. Dizem as más linguas que o miúdo foi expulso da outra escola particular de onde estava. E eu até acredito.

 

A minha aula seguinte foi teste e eu pude comprovar que os putos não estudaram nada. Devem estar cá uns testes!

 

Em suma, com isto tudo e mais alguns salpicos de outras coisas, cheguei a casa com uma dor de cabeça de morte!

Sobre o meu Lovely Things.

Dei uma volta ao meu Lovely Things. A verdade é que o blog tem ficado um pouco de lado e tenho dinamizado mais o facebook.

 

Acabei de lançar uma página nova do perfil do Lovely Things no facebook. Penso que é mais simples fazer um "gosto" do que estar a pedir amizade.

E é aqui que estão muitas das coisas que tenho feito mas ainda faltam algumas que não estão fotografadas. E ainda faltam concretizar outras que tenho na cabeça.

 

Quem passa por aqui, mesmo sem comentar, pode sempre dar uma espreitadela aqui:

(clicar na imagem)
º
Quem quiser e lhe apetecer, basta chegar ao botãozinho do "gosto" e carregar. Vão começar a haver surpresas e dinamizações. Não percam!
m
Entretanto, vou ser patrocinadora de um desafio muito giro intitulado "As Amantes do Verão", dinamizado pela Turista e pela Scarlet Red.
b
Quem quiser participar no desafio, apresse-se pois o tempo urge! E eu acho que ninguém vai querer perder este desafio. Cusquem lá os blogues para saberem mais... :))))))

Banco alimentar - ajudar quem precisa.

 

Hoje o Banco Alimentar encontra-se em muitas superfícies do nosso país para recolher alimentos.
Quem me lê, sabe das dificuldades em que me encontro mas ainda há pessoas que estão piores do que eu.
Como fui ao PD comprar pão e o meu almoço, aproveitei para dar a minha contribuição. Com o dinheiro do meu café, comprei um pacote de massa e uma lata de grão. 
Foi uma contribuição modesta mas foi a que pude dar. Se todos nós contribuirmos nem que seja só com uma coisinha, algo no valor de 50 cêntimos ou até um euro, talvez não faça grande mossa nos orçamentos familiares e estamos a ajudar outros.
Quem sabe se não seremos nós amanhã a precisar? Fiquei com o coração sereno e a consciência tranquila.

 

Pág. 1/4